14.10.19

para o Senhor Impontual

Posto isto, o Senhor Impontual saiu da conferência absolutamente convencido de que o aspecto principal da preservação de um edifício é a sua história e não a sua beleza. Nem que para se atingir tal desiderato seja preciso ficar quieto.


O Senhor Impontual, protegido pela massa humana da rua, continua a vaguear dentro dos seus pensamentos, enquanto se distrai a observar as jovens alegres que passam. Num jogo de esquecimentos e recordações, deambula pelas mulheres bonitas que se cruzaram consigo ao longo dos anos. Todas traziam nos gestos um encantamento que o atemorizava. Temia enlouquecer, ficar marcado numa equimose sentimental incurável, humilhado na sua condição de ser medíocre e banal, terminando num desses suicidas anónimos. Talvez Ambrose tivesse razão e a beleza fosse mesmo o poder pelo qual uma mulher encantava o amante e aterrorizava o marido. O Senhor Impontual nunca permitiu que alguma delas de alojasse na sua vida, mais tempo do que o necessário para se fazer abandonar sem segundas oportunidades. Preferiu sempre considerar-se objecto de uma história de ciúmes, que as mulheres bonitas costumam inventar para chamar a atenção dos homens que realmente desejam, ou um momento de fraqueza, uma aventura fugaz para desenjoar da vida caseira. Não o magoava saber-se usado, porque controlava os danos da rejeição. Uma buzina perto resgata-o à vida e encaminha-o em direcção à  Fontana delle Tette, estremecendo com antecipada visão dos jorros ébrios. Nunca temeu uma mulher de pedra.

10 comentários:

  1. Tive agora uma visão.
    Vi o Senhor Impontual
    sem estremecimentos
    de bastão na mão
    tirava uma selfie
    encostado a uma Donna
    que por um seio jorrava
    vinho branco e por outro,
    não sei se tinto ou rosé.

    A Flor sabe quem é?

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahahah! E o homem lá será turista de fotobastão?!?

      Eliminar
  2. O Senhor Impontual julgou que já o tinha confessado antes. Mas pode confessa-lo de novo. O Senhor Impontual tem um pacto com o diabo. Não é nada de extraordinário - uma pitada de niilismo social ali, um pouco de sabotagem comportamental acolá - e receia que faça parte da sua existência. Coisa de nada. Não inspira grandes cuidados.

    Ainda assim, o Senhor Impontual, gosta do binómio ver-perceber, - um vaivém muito mais perigoso que qualquer acto carnal. Um autêntico campo minado.

    O Senhor Impontual ao longo do seu tempo já viu muitas coisas que o encheram de prazer. A Fontana delle Tette é uma delas. Foi certamente desenhada por um chefe de projectos obcecado pela perfeição e pelo pormenor. Nada, nem um sinal, nem a mais leve rídula perturba a perfeição daqueles úberes terrestres.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. fica registado, Senhor Impontual!

      que leitura tão equivocada a minha :)

      Eliminar
    2. O Senhor Impontual gostaria de colmatar a falha de mão ter saudado a Flor. Mas o amor - esse equivoco indelével - tolhe-me os intentos.

      Obrigado. :)

      E um abraço. Se me permitir, claro.

      Eliminar
    3. foi quase uma entrada a dois pés :) não levei um sopapo mental por muito pouco.

      obrigada eu, apenas lamento não ter tido muita piada :b
      abraço.

      Eliminar
    4. O Senhor Impontual está muito aflito com o eventual constrangimento causado.
      Teve imensa piada, Flor. Obrigado, mais uma vez.
      O Senhor Impontual promete treinar muito a colocação de emojis nas suas mensagens.

      Eliminar
    5. está tudo bem :)

      um abraço.

      Eliminar
  3. Vá lá, sejam amigos.
    Como é que havemos de jantar todos à mesma mesa se vocês andarem de candeias às avessas?

    ResponderEliminar