27.12.19

tempestade



vira costas e avança contra o vento frio da manhã que lhe queima o rosto. em fuga, acolhido pela tempestade, dá firmeza ao passo para prosseguir. as correntes de ar, geladas, querem roubar-lhe o chapéu, abrir-lhe o casaco, travar-lhe a ideia, mas não chegam para demovê-lo. é a outra tempestade, a que lhe revolve o interior, que o atormenta e é dela que foge. é de si que tem frio.