16.3.20

e de repente

não foi bem de repente, diga-se, que já levo alguns dias desta moléstia colada ao corpo, juntamente com dores de cabeça e suores frios repentinos, que nascem directamente no hipotálamo encravadinho. feito o reparo, avanço. de repente, como coçar um pedaço de pele proibido, comecei com desejos violentos de enfardar calorias açucaradas. é com certeza o instinto de sobrevivência a trabalhar: pudins embalados ontem, bolo de chocolate esta manhã, e não terminei o dia sem ougar por um gelado do McDonald's. passei à porta, conduzindo lentamente Jolly Jumper - não vá o bicho criar ferrugem, voltei a passar, o creme branco a entrar-me pelos olhos, a geleia vermelha, enjoativa, a fundir-se naquela neve tão doce e eu a babar. mas o forte espírito de abnegação, herdado de bisavós do tempo da primeira guerra mundial, vem em meu auxílio, precioso, e ajuda o pé direito a carregar no velho pedal do acelerador, enquanto eu tomava conta do volante e do pisca à direita na rotunda. chego a casa frustrada, é certo, mas de mão ao peito, sabendo que cumpri a minha parte de cidadã exemplar. agora vou tentar enganar a dopamina com iogurte natural e mirtilos esborrachados. 


....merd#, já não tenho mirtilos!