11.3.20

febre

lembro-me de ter febre e de a minha mãe me deitar do seu lado da cama e me embalar, aquele cheiro a nivea ou água de rosas, não sei ao certo, mas recordo o calor do seu corpo e a segurança dos seus braços. depois somos largados ao mundo, frágeis criaturas, patéticas, umas aproveitando-se das outras, golpeando-se, magoando-se, todas lutando para sobreviver. 
sinto saudades da minha mãe, de quando eu era menina, muito antes de fugir.