17.4.20

...

Fica dentro de mim, como se fosse

eterno o movimento do teu corpo,

e na carne rasgada ainda pudesse

a noite escura iluminar-te o rosto.

No teu suor é que adivinho o rastro

das palavras de amor que não disseste,

e no teu dorso nu escrevo o verso

em pura solidão acontecido.


antónio franco alexandre
|canal de poesia|