4.4.20

Vidas Escritas

Joseph Conrad














"Estava sempre num estado de extrema tensão, e daí a sua irritabilidade, que dificilmente controlava e que contudo, uma vez passada, não deixava marcas ou mesmo recordação. Quando a mulher estava a dar à luz o primeiro filho, o mencionado Borys, Conrad não parava de cirandar pelo jardim, dominado pela agitação. Ao ouvir uma criança chorar, aproximou-se indignado da cozinha para perguntar à criada o que era aquilo: «Faça o favor de mandar embora essa criança! Está a incomodar a senhora!», gritou. Mas consta que a criada lhe gritou ainda com maior indignação: «É o seu filho, senhor Conrad!»
Conrad era tão irritável que quando deixava cair a caneta ao chão, em vez de a apanhar logo e continuar, dedicava vários minutos a tamborilar exasperado na mesa à maneira de lamentação pelo acidente."

 Javier Marías, Vidas Escritas


|a próxima será Isak Dinesen, baronesa dinamarquesa que, entre muitos outros livros, escreveu África Minha|