16.5.20

madrinha

fucei o arquivo e descobri que não falo da madrinha desde dezembro de 2017horrible, ma chérie!, dir-me-ia ela hoje ao almoço, se soubesse, entre o costumeiro corte e costura, que a idade só apurou, enquanto brindávamos de copo cheio apontado para o ecrã. 
a madrinha foi fura-vidas, emigrou quando as meninas boas deviam casar e ter filhos, cursou nas artes técnicas, casou e descasou as vezes que teve de ser, e agora, regressada ao país de que nunca gostou, diverte-se a pôr os doutores das repartições de finanças em sobressalto. nunca teve papas na língua e, caramba, fala sempre com une noblesse d'attitude, une finesse hautaine et précise, que é um mimo assistir.
Ce que je veux le plus, c'est qu'ils se rendent chez la pute qui leur a donné naissance! é isso mesmo, madrinha! é isso mesmo!