31.7.20

a gosto e a desgosto

agosto chega e tudo se mantém entre a neblina da madrugada e o fumo dos incêndios. existo no entremeio do tempo, que lentamente, como a boca de uma cobra, me engole sem me trincar. o silêncio apoderou-se das gargantas irritadas, já nenhum voz se levanta, nada comove, um desprezo fastidioso pela condição. a morte, como as cinzas, é dos melhores fertilizantes, sabias?