18.7.20

do medo dos animais que nos visitam à noite

vi-os, à luz da lanterna, pela primeira vez este ano, perto da duas da manhã. talvez uns cinco ou seis, ainda pequenos, velozes entre as vinhas. o coração dispara, sempre que ouço as canas estalar, os grunhidos confirmam a sua natureza, estão próximos. sinto medo, embora sabendo que já não estou em perigo. recuo, mesmo acreditando que poderia avançar.