mil homens,
bestas de cascos afiados,
relinchando trovões, penetrando-me, rasgando orifícios,
pântanos de sangue e de fezes,
urinando-me as feridas abertas da cara.
mil homens cuspindo-me o nojo,
derramando sémen nos meus olhos abertos,
até não haver mais círculos de fogo.
mil homens enjaulando-me,
nua, numa praça qualquer.
oferecendo a minha boca ao público animal, que zurra, na antecipação,
vendendo a minha cona a todos os mercadores,
velhos senis
que masturbam membros defeituosos.
mil homens
silvando a mesma tira de couro nas minhas costas,
nas minhas mãos,
nas minhas mamas,
noite após noite, até adormecer.

mil homens despedaçando o meu corpo, queimando o meu centro, acalmando a minha dor.