24.6.21

à noite, quando todos os gatos são pardos, o poeta ronda as suas musas, com um bêbado na taberna. todo o engate me parece nos dias de hoje tão corriqueiro e banal. um enfado. e eu sempre azeda.


 

7 comentários:

  1. Gosto dessas luzes na noite. Não pode haver azedume que lhes resista.😉

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 'As luzes da noite são olhos de lobo para te comer'

      Ando um fastio, até de mim ando cansada. E sem noção do tempo.

      E tu, Luísa do meu 💙, como estás tu e o teu sul?

      Eliminar
  2. O meu sul já cansado da pandemia e pouco inspirado. A ver se me esforço e tento acordar as palavras em mim. Estão bem murchas, coitadinhas. Ontem, li-te e tu é que me recordaste a lua. Fui fotografá-la, mas não verifiquei sequer se saiu alguma coisa de jeito.🌚

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :(

      O teu sul anda igual ao meu centro.

      Não sejas juíza de ti própria, bota no blog que a gente classifica! 😂🥰

      Eliminar
  3. Bote lá, Luísa, que eu também gostava de ver, lembro-me sempre de si quando vejo a lua cheia.
    O meu interor centro está uma desgraça: 35º é demasiado calor, e nem quero pensar nos quarenta e muitos que aí vêm, porque vêm sempre...

    Bons sunsets para as duas!
    🌄 🌅
    (escolho o da Luisa)

    ResponderEliminar
  4. flor,
    Maria,
    Os vossos pedidos são ordens. :)

    ResponderEliminar