2.12.21

2.12.2021

Está mais frio hoje, os pés parecem tijolos de gelo, e mesmo com o ar condicionado ligado, não consigo despir o casaco. É inverno, nada do que digo surpreende. Na verdade, já me arrependi desta ideia de advento escrito de natal, porque não tenho nada de interessante para contar. Falei com o dono de um labrador chocolate, o cão era lindo de morrer, mas para o homem quase nem olhei. Não sei dizer porquê, não sei mesmo, as pessoas deixaram de me interessar até como possíveis personagens de historietas blogosfericas. A conversa foi generosa em lugares-comuns. Dei conta de como a minha voz soava a falso, porque nada daquilo me fazia diferença. No centro comercial, nem as montras olhei. Como as pessoas, as coisas também não me interessam grandemente. Preciso de encher os pneus, ando sempre com eles tão vazios, que os estrago, disse me o homem simpático da inspeção. O problema é que aquelas máquinas do ar nunca regulam como deve ser, começam logo a apitar e eu tenho medo que algum dos pneus me rebente na cara e a cara também. Cortei uma pernada grande à taro, aquela onde batia constantemente com a cabeça, a decisão estava tomada há muito, mas no momento cortei de raiva, depois de mais uma pancada valente. Fiquei a pensar se as árvores sentem, se sofrem, porque o ramo já estava cheio de pequenos novelos para rebentar em breve. Senti que lhe matava os bebés. Sou pouco religiosa, mas um pouco panteísta, o que não facilita. E depois veio o vento, as folhas pareciam murmurar-me um segredo e eu quieta a tentar entendê-las. Falo sozinha, desde criança, só não o digo a ninguém.

 

14 comentários:

  1. Em primeiro lugar devo informar-te que ainda não é inverno.
    Partilho contigo o desinteresse por pessoas, no meu caso apenas e só consequência do desinteresse que sinto por mim.

    ResponderEliminar
  2. ?!? Não é inverno?!? Como assim??? É o quê?? O inferno?? 😖

    Também?! Devíamos formar um bando!

    ResponderEliminar
  3. O inferno não é quentinho?
    Fazemos o bando desde que não tenhamos de nós aturar. :)

    ResponderEliminar
  4. Alistar me ia no bando dos interessados desinteressantes, que as pessoas ainda me interessam, menos eu. Já tu, cara Flor, de desinteressante nada tens, muitíssimo pelo contrário, és de cheirar por mais :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahaha! Não bebas mais, kina! Ou então bebe, que está um frio dos diabos!

      Eliminar
  5. Eu interesso-me por pessoas como tu, flor. Pessoas bonitas.
    🤗

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahaha! Começo a perceber o quanto o isolamento social mexeu connosco, vocês virem aqui deixar estes comentários só pode ser disso. 😂😂

      Cá beijos, menina Suzy!

      Eliminar
  6. O meu padrinho de baptismo é S. Francisco de Assis; talvez seja essa a razão de também eu me ser algo panteísta. Bichos, plantas e poucas pessoas.

    ResponderEliminar
  7. flor,
    Que saudades que eu tinha de te ler!

    Ana, junta-lhe também silêncio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Saudades eu de ti!

      Tanta pressão, mulheres, quando eu só tenho lixo mundano para escrever :(

      Eliminar
  8. Até vos compreendo mas eu gosto imenso de pessoas, depois de árvores e só a seguir de bichos e, dos bichos, sobretudo dos que andam longe do homem, que não lhe pertencem (pássaros, cabras, golfinhos, elefantes...), Acho assim que não poderei fazer parte do bando mas gosto de vocês na mesma:) E das pessoas Flor ah, ah...
    ~CC~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahaha! Finalmente alguém são para nos trazer notícias do mundo, quando andarmos fugidas pelas estepes do oriente!

      💙

      Eliminar